• lattesBW
  • Facebook - Black Circle
  • Vimeo - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • YouTube - Black Circle

30’

 

Performance colaborativa. A ação foi desenvolvida por um grupo de participantes da Oficina de Intervenção Urbana oferecida pelo SESC.



A proposição pretende discutir sobre a relação do tempo individual em um contexto coletivo da urbe. A partir de uma pesquisa de observação dos hábitos e usos do centro histórico de Vitória se identificaram categorias de indivíduos que ocupam o centro da cidade: executivos(as), artistas de rua, prostitutas(os) e o cidadão transeunte. Partindo da análise de campo notaram-se as diferentes relações de tempo, de permanência e de uso dos indivíduos com o centro. As simbologias corporais, de vestimentas, de comportamentos pesquisadas pelo grupo, são assumidas pelos performers como dispositivos de encontro entre os diferentes agentes do centro de Vitória, pois cada artista cria sua persona para ação. O curto espaço de tempo estabelecido pelo semáforo corresponde à duração das performances. O período de espera durante o sinal vermelho gera um momento de suspensão do tempo, uma imposição de ritmo para aqueles que convivem na cidade. Sendo assim, t.e.m.p.o.r.i.z.a.d.o.r se infiltra nesse tempo suspenso e individual e propõe o encontro com as narrativas distintas da vida urbana, objetiva introduzir, intencionalmente, um intervalo de tempo de contato com o outro. O tempo do espectador faz parte da obra, uma vez que, para o seu trajeto, ele precisa percorrer as vias da cidade. A faixa de pedestres, com um sinaleiro, o faz parar e visualizar a ação, vivendo um tempo específico coletivamente com os artistas. Esse tempo fica caracterizado pelo movimento repetido simultaneamente por todos os ocupantes da faixa e pelo olhar lançado ao espectador. Esse movimento se repete a cada sinal fechado para veículos, possibilitando o contato com pessoas diferentes a cada realização da ação durante os seus 30 minutos de execução, e, ainda há, de maneira secundária, o contato com o pedestre que utiliza a faixa, uma vez que, através dela, ele molda o seu trajeto pela situação atípica que vive.

Ficha técnica:
Criação/Concepção: Geovanni Lima, Christie Torres, Tom Fonseca e Rovena Daher
Direção: Deia Carpanedo
Imagens: SESC Glória
Figurino: Geovanni Lima
Performers: Geovanni Lima, Christie Torres, Tom Fonseca, Rovena Daher e Renata Piona

t.e.m.p.o.r.i.z.a.d.o.r, 2015